Newswise — A medicina regenerativa poderia retardar a evolução das doenças degenerativas que frequentemente devastam os anos da maturidade, revela um estudo da Mayo Clinic. A expectativa de vida quase dobrou desde os anos 50, mas a expectativa de saúde (o número de anos sem doenças) não acompanhou o ritmo. De acordo com um artigo publicado na revista NPJ Regenerative Medicine, de maneira geral, as pessoas vivem mais tempo, mas a última década de vida é frequentemente assolada por doenças crônicas relacionadas ao envelhecimento, o que diminui a qualidade de vida. Esses últimos anos de vida vêm com uma grande sobrecarga de custos para a sociedade.

Os pesquisadores sustentam que as novas soluções para aumentar a expectativa de saúde estão na intersecção da pesquisa em medicina regenerativa, investigação antissenescente, cuidados clínicos e apoio social. Uma abordagem regenerativa oferece a esperança de estender a longevidade da boa saúde, para que os anos finais de vida de uma pessoa possam ser plenamente vividos.

“As diversas populações em processo de envelhecimento, vulneráveis a doenças crônicas, estão no limiar de um futuro promissor. De fato, as crescentes opções regenerativas oferecem oportunidades para impulsionar a cura inata e lidar com o declínio associado ao envelhecimento. A perspectiva de um bem-estar prolongado empenha-se para alcançar a saúde para todos”, diz Andre Terzic, médico, Ph.D., cardiologista da Mayo Clinic e autor sênior. Dr. Terzic é o diretor da fundação Marriott Family, do programa de Medicina Regenerativa Cardíaca Abrangente do Centro de Medicina Regenerativa e professor de pesquisa cardiovascular da fundação Marriott Family.

A medicina regenerativa é um novo campo de pesquisa e prática que está mudando a ênfase do combate às doenças para a reconstrução da saúde. O Centro de Medicina Regenerativa da Mayo Clinic está na vanguarda desse movimento, oferecendo apoio à pesquisa de novas formas de retardar, prevenir ou até mesmo curar doenças.

O avanço da pesquisa em relação às opções regenerativas

A pesquisa aumentou a compreensão sobre as tecnologias que visam e removem as chamadas células “zumbis” que se acumulam com o avanço da idade. As células zumbis, também conhecidas como células senescentes, secretam proteínas nocivas e substâncias químicas que contribuem para doenças e debilidade da saúde. Quando as células se tornam senescentes, elas não mais se dividem e não mais se diferenciam, além disso, perdem a capacidade de reparar os tecidos doentes.

“Os avanços em termos de tecnologia antissenescente e regenerativa oferecem uma esperança de estender a expectativa de vida e viver os anos mais longevos sem doenças”, diz Armin Garman, primeiro autor e M.D./aluno de Ph.D. em Rastreamento das ciências regenerativas na Alix School of Medicine da Mayo Clinic.

As novas intervenções regenerativas no horizonte demonstram-se promissoras para o tratamento de doenças crônicas, como câncerdoenças cardíacas e diabetes. Por exemplo, os avanços em imunoterapias regenerativas, como a terapia de células T com receptor de antígeno quimérico desperta a capacidade do corpo de reconhecer e destruir alguns cânceres.

“A prontidão clínica das terapias regenerativas relativas às doenças do envelhecimento está amadurecendo”, diz Satsuki Yamada, M.D., Ph.D., cardiologista da Mayo Clinic e coautora do estudo. “A evolução do conhecimento em termos de ciências regenerativas está oferecendo ferramentas para deter ou reverter a progressão de doenças refratárias, transformando os objetivos do controle de doenças do cuidado para a cura.”

Os cuidados clínicos estão prontos para fornecer cuidados regenerativos

O aumento dos registros eletrônicos de saúde e a inteligência artificial oferecem novas formas de analisar os vastos conjuntos de dados e identificar as terapias regenerativas adequadas às necessidades individuais. Isso poderia atrasar o surgimento de doenças crônicas que aparecem mais tarde na vida. O direcionamento de procedimentos regenerativos para uma multiplicidade de doenças crônicas relacionadas à idade poderia ser uma maneira poderosa de preencher a lacuna entre a expectativa de saúde e a expectativa de vida.

“O modelo regenerativo de cuidados está pronto para avançar em uma perspectiva de longevidade sem doenças, transformando a prática atual no cuidado ao paciente”, afirma o Dr. Terzic. “A implementação efetiva da inovação médica de próxima geração será acelerada pelo aumento da tomada de decisões.”

Apoio social ajuda a prolongar uma vida saudável

As iniciativas em saúde pública poderiam contribuir para a longevidade da saúde. Por exemplo, proibir o fumo em público, obrigar a aplicação de rótulos de informações nutricionais e promover vacinações poderia levar a vidas mais saudáveis e retardar ou prevenir as condições degenerativas que surgem mais tarde na vida.

Além disso, abordar os determinantes sociais da saúde (as condições do ambiente nas quais as pessoas vivem) poderia contribuir para a prevenção ou retardamento de doenças.

“Adversidades na infância, alienação social, status socioeconômico inadequado e acesso comprometido aos cuidados de saúde estão todos associados à desigualdade na saúde e à redução da expectativa de vida”, diz Garmany. “Abordar esses problemas está no cerne da prevenção de doenças.”

A demografia mundial estima a expectativa de vida em 73 anos, mas a idade média de início das doenças crônicas é de 64 anos. Essa lacuna entre a expectativa de saúde e a expectativa de vida poderia ser preenchida com iniciativas adequadas de políticas públicas e aplicação de novas descobertas regenerativas e antissenescência aos cuidados clínicos. Os avanços importantes que aumentam a expectativa de vida poderiam ser potencialmente combinados com mais anos de boa saúde.

 

###

 

Sobre a Mayo Clinic

A Mayo Clinic é uma organização sem fins lucrativos comprometida com a inovação na prática clínica, educação e pesquisa, fornecendo compaixão, conhecimento e respostas para todos que precisam de cura. Visite a Rede de Notícias da Mayo Clinic para obter mais informações sobre a Mayo Clinic.

 

Contato de mídia:

Susan Buckles, Relações Institucionais da Mayo Clinic, [email protected]

 

 

 

SEE ORIGINAL STUDY