Newswise — ROCHESTER, Minnesota - O assédio sexual não é um fenômeno novo ou raro no local de trabalho, mas desde o início do movimento #MeToo (#EuTambém) no final de 2017, mais vítimas se apresentaram para relatar alegações de assédio no trabalho, inclusive em instituições de saúde. 

Como líder de saúde, a Mayo Clinic tem a responsabilidade de defender uma cultura de justiça, equidade e segurança. Para demonstrar esse compromisso e transparência, a Mayo Clinic analisou todas as queixas e investigações de assédio sexual de setembro de 2017 a setembro de 2019 e publicou os resultados em um artigo especial na Mayo Clinic Proceedings. 

"A Mayo Clinic desenvolveu uma abordagem rigorosa para abordar de forma eficaz e consistente todas as alegações de assédio", diz o Dr. Charanjit Rihal, cardiologista e presidente da Mayo Clinic do Comitê de Pessoal, que supervisiona as questões de trabalho de médicos e cientistas. "Assim como muitas outras instituições, a Mayo Clinic experimentou um aumento nas alegações de assédio sexual no final de 2017 e no início de 2018, e o artigo analisa como essas reclamações foram tratadas e se o processo estava alinhado com as políticas institucionais”. 

A Política de assédio sexual e outros da Mayo Clinic foi atualizada em 2017, pouco antes do movimento #MeToo ganhar destaque nacional. A política define todos os tipos de assédio e como as reclamações são investigadas e tratadas. 

Durante o período analisado de dois anos, 153 denúncias de assédio sexual foram recebidas e investigadas, e 88 foram comprovadas. Desses 88 casos em que se descobriu que os indivíduos se envolveram em condutas que violavam as políticas da Mayo Clinic, 59 envolveram funcionários que não eram médicos ou cientistas; 22 médicos ou cientistas envolvidos; e sete envolveram pacientes, visitantes, contratados ou fornecedores. 

Para as 88 pessoas acusadas em queixas fundamentadas, vários níveis de ação foram tomadas, com base na natureza e gravidade da má conduta: 

  • 31 receberam treinamento formal, incluindo nove médicos ou cientistas.
  • 22, incluindo três médicos ou cientistas, receberam advertências por escrito que vão desde a primeira advertência até a advertência final.
  • 35, incluindo 10 médicos ou cientistas, foram desligados do emprego ou pediram demissão antes da rescisão.

Dos 88 relatos comprovados, 71, ou 80,7 por cento, envolveram comentários inadequados e/ou investidas sexuais indesejadas; 22, ou 25 por cento, envolveram toque indesejado ou contato físico; e 16, ou 18,2 por cento, foram descritos como assédio eletrônico, como por e-mail e mensagens de texto. 

“Descobrimos que o número esmagador de acusados era do sexo masculino e quase metade estava nos mesmos níveis organizacionais das vítimas”, disse o Dr. Rihal, o primeiro autor do estudo. “Embora sejam necessários mais dados de tendência temporal, isso é consistente com outros estudos em que as vítimas predominantes são mulheres e os acusados predominantes são homens". 

Antes do outono de 2017, a Mayo Clinic não acompanhava o assédio sexual separadamente de outros tipos de assédio. Desde o início de 2018, o volume de relatórios de assédio sexual na Mayo Clinic diminuiu, embora os motivos possam ser complexos, incluindo o compromisso expansivo da organização em aumentar a conscientização e o treinamento necessário para a equipe. Em 2019, 95 por cento da equipe da Mayo Clinic concluiu o treinamento ativo de espectadores para aprender como apoiar um colega caso ele observe bullying, assédio ou assédio sexual. 

O estudo e o artigo representam um compromisso rigoroso para lidar com o assédio sexual, diz Cathy Fraser, diretora de recursos humanos da Mayo Clinic e coautora do estudo. "Nossa nova abordagem inclui ser transparente sobre os resultados enquanto trabalhamos para a eliminação do assédio sexual na Mayo Clinic. Até eliminarmos todos os casos de assédio, não podemos ser complacentes, e ponto final”. 

A equipe da Mayo Clinic pode usar muitos recursos, incluindo uma linha direta anônima, para relatar preocupações sobre assédio sexual, diz Fraser. Quando uma reclamação é recebida, um investigador de Recursos Humanos treinado para lidar com alegações de assédio sexual é designado, iniciando um processo que envolve muitas camadas de análise e pode envolver o Departamento Jurídico da Mayo Clinic. 

"Cuidados clínicos, pesquisas científicas e educação em saúde requerem equipes altamente funcionais", diz o Dr. Gianrico Farrugia, presidente e CEO da Mayo Clinic e coautor de estudos. "Quando ocorre assédio, as vítimas experimentam danos graves e potencialmente duradouros, a dinâmica da equipe é interrompida e o atendimento ao paciente pode ser afetado. Políticas e processos claros devem estar em vigor para lidar com o assédio de todos os tipos, mas eles só são eficazes se os líderes da organização estiverem comprometidos, definirem expectativas de tolerância zero e seguirem em frente. Como líder global em saúde, estamos totalmente comprometidos com isso”. 

### 

Sobre a Mayo Clinic Proceedings

A Mayo Clinic Proceedings é uma revista médica mensal revisada por pares que publica artigos e análises originais sobre medicina clínica e laboratorial, pesquisa clínica, pesquisa básica em ciências e epidemiologia clínica. A Mayo Clinic Proceedings é patrocinada pela Mayo Foundation for Medical Education and Research, como parte de seu compromisso para instruir médicos. A revista já é publicada há mais de 90 anos, com uma tiragem de 127 mil exemplares. Visite o site da Mayo Clinic Proceedings para visualizar artigos.

Informação sobre a Mayo Clinic

A Mayo Clinic é uma organização sem fins lucrativos comprometida com a inovação na prática clínica, educação e pesquisa e com oferecer compaixão, conhecimento e respostas a todos que precisam de cura. Visite a Rede de Notícias da Mayo Clinic, para obter outras notícias da Mayo Clinic, e Mayo Clinic Facts para obter mais informações sobre a Mayo.

 

SEE ORIGINAL STUDY